CORPO

21/05/2015
Adulto tem déficit de atenção?

Criança bagunceira, que não para quieta, parece que não escuta, perde os brinquedos e vai mal na escola. Essa é a imagem clássica do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Mas o que será que acontece quando essas crianças crescem? O TDAH desaparece? Pesquisas que acompanham crianças com TDAH ao longo de vários anos mostram que cerca de 70 a 80 por cento das crianças com TDAH continuam sintomáticas depois de adultas. Estima-se que a presença de TDAH em adultos varia de 1,5 a 4%.

Além disso, algumas crianças não apresentam os sintomas clássicos e passam pela infância sem diagnóstico, principalmente aquelas especialmente inteligentes e não apresentam dificuldades expressivas na escola. Muitas vezes, ao chegar à idade adulta, pacientes com TDAH apresentam sintomas menos óbvios, mas que geram grande comprometimento e sofrimento.

Alterações de humor, impulsividade, distrações e baixo rendimento no trabalho, problemas com organização, atrasos frequentes, rebaixamento da autoestima e padrões comportamentais de “autossabotagem”, como adiamento crônico e não realização de objetivos que estão ao alcance da pessoa. Imagina o estresse! Além disso, comumente os relacionamentos interpessoais são prejudicados. Pessoas que convivem com pacientes com TDAH precisam lidar com as dificuldades de executar certas tarefas e até uma incapacidade de honrar compromissos, e podem entender esses sintomas como um sinal de que a pessoa não se importa, que é malandra ou aproveitadora. Relacionamentos profissionais e até o casamento podem ser prejudicados.

Outros sintomas comuns são a presença de depressão e ansiedade, abuso de substâncias, maior risco de acidentes de trabalho e acidentes automobilísticos e desorganização da vida financeira. A boa notícia é que, na infância ou na vida adulta, o TDAH pode ser tratado com remédios e terapia cognitivo comportamental com boas taxas de sucesso. Se você desconfia que seus problemas podem ser devidos ao TDAH, não espere mais. Procure um especialista e melhore a sua qualidade de vida.

Dra. Aline Sardinha - Psicóloga clínica e Coach (CRP/05:34.146).







COMPARTILHE:

COMENTÁRIOS
eu sofria desse problema e nem sabia.... eu mesma me perguntava o porquê desses sintomas que eu nem fazia ideia que existiam, eu só achava q eu era diferente dos outros e que era uma doente, até que descobri..... os sintomas que eu tenho é muito elevado o ruim é porque ninguém entende porquê agente se comporta assim, acham que é porque agente quer, porque somos irresponsáveis.... não é fácil, pois além de você se aceitar e superar em DEUS essa limitação, você tem que ter uma grande paciência (sendo que ter paciência chega a ser uma vitória) com os outros que te olham como um irresponsavel,incompreensível .... é mas com a Graça de DEUS eu vencerei
Por: joys lanne - Em: 25/06/2015 - 14:04:29
Nome: Mensagem:
E-mail:
Informe esse número ao lado:
trocar imagem